Esse blog é uma homenagem às minhas avós, às avós do meu filho e a todas as mulheres que tem a doce experiência de serem avós. Acredito que no âmbito familiar poucas coisas são tão saudáveis quanto o estar na casa da vovó, desfutar de sua companhia, de seus quitutes e fazer descobertas diárias sobre o mistério que envolve a distãncia entre as coisas do tempo da vovó e a nossa vida cotidiana, principalmente quando somos crianças.

Seguidores

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Mineiros em romaria


Esse relato está baseado no que ouvi contar sobre um casal amigo de vovó. Casos verídicos - registrando memórias.
O casal Ferreira, entre os anos 70 e 80 do século passado, como tantos outros brasileiros foram vítimas da grave crise financeira que atingia os brasileiros.
A senhora Ferreira, sempre muito esperta, começou a pensar num jeito de melhorar o orçamento. Daí, resolveu colocar em prática uma idéia que haviam tido há muitos anos : organizar  caravanas em romaria para festas religiosas.
Naquela época, a maior parte dos moradores da vila eram católicos, quase ninguém possuía automóvel para viagens e grande parte gostava de dar um passeio de vez em quando. Talvez por isso tenha dado tão certo os negócios do casal Ferreira.
A senhora Ferreira era  muito bem relacionada na vizinhança. Conhecida por gostar de ajudar aos pobres e por participar de atividades religiosas na igreja. Então, era só  começar a vender as passagens para uma caravana e logo o grupo de romeiros se formava.
Conta-se, que a primeira dessas caravanas, foi organizada para a festa do Senhor Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas. Ônibus com lotação completa! O problema foi a falta de experiência do senhor Ferreira que, na hora de alugar o veiculo, buscou o mais barato porque queria ganhar um grande lucro com a venda das passagens ...
Na hora marcada para o grupo embarcar rumo a Congonhas, estacionou no local combinado  um ônibus maravilhoso por fora e horrível por dentro. Desapontados, todos logo  perceberam a falta de conforto. O senhor Ferreira,  ficou muito assustado e envergonhado com a situação...
Dizem que quando o motorista girou a chave, os bancos começaram a tremer e todos tiveram que tampar o nariz de tanta poeira que saia das laterais cheias de furos. Também há quem não se canse de rir do acontecido na volta a Belo Horizonte: dizem que um menino de pele bem escura que estava sentado na última poltrona encontrou um buraco nos fundos do ônibus e para lá logo entrou.
Ficando com medo, começou a gritar pedindo que acendessem a luz. Os outros meninos logo correram para ver o que estava acontecendo e quando olharam para dentro do buraco a única coisa que viram foi o branco dos olhos do menino. E  a partir daí começaram a chamá-lo de Antônio Preto. 
Outra viagem que deu o que comentar foi uma caravana dos Ferreira para Aparecida do Norte. Essa viagem foi muito esperada por todos porque iria passar pelo Rio de Janeiro. Um dia na praia, só quem é mineiro sabe o valor que tem. Não é por acaso que somos alvo de piadas quando o assunto é banho de mar. Sempre se tem uma engraçada história a ser contada.
Naquele tempo, as viagens eram demoradas porque parava-se muito. Não tinha perigo de assalto como hoje. Então a viagem prevista para sete horas de duração, deve ter demorado umas nove.
Enfim, chegaram na paria de Copacabana. Os rapazes, que já viajaram de calção de banho por baixo das calças, desceram correndo do ônibus e foram dar um mergulho. Aí aconteceu a primeira do dia: alguns ficaram com medo de entrar na água que estava na maré alta e outros começaram a provar da água  para ver se realmente era salgada.
Um guarda, percebendo a desorientação do grupo, ordenou ao motorista que estacionasse no Leblon. Para lá seguiram e ali deu-se um festival de acontecimentos. 
O senhor Jacinto e a dona Maria, portugueses e antigos comerciantes na vila, atravessaram a avenida e foram banhar as canelas nas águas do mar. Ficaram horas com as calças suspensas até o joelho e as canelas mergulhadas na água, enquanto observavam ao longe na esperança de ver algum navio igual ao que os trouxeram de Portugal na época da segunda Guerra Mundial.
Dona Rita não se cansava de pular as ondas quebradas. A filha do senhor Geraldo acendeu o cigarro do ladrão que tentava roubar sua máquina fotográfica. O rapaz que viajou de terno, com ele passou o dia na praia debaixo do sol ardente.
Mas o fato mais engraçado foi o ocorrido com o Ari e o Baiano. Eles resolveram nadar e ficaram boa parte do dia dentro da água. De súbito uma onda gigante  os pegou despreparados dando-lhes um belo caldo. Estaria tudo normal se o Baiano não estivesse de óculos dentro do mar. Ele viu que esse havia sido levado pela onda e gritou pedindo ajuda ao Ari. Esse abriu a boca para responder ao companheiro e eis o que lhe acontece: sua dentadura saiu da boca! O saldo foi um óculos e uma dentadura perdidos no mar.
São muitos os casos que se contam sobre as viagens organizadas pelos Ferreira. É raro encontrar na vizinhança uma casa onde pelo menos uma pessoa nunca tenha viajado com eles. Se eles tivessem feito um diário, hoje em idade já avançada, poderiam publicar um livro! 

5 comentários:

heloisa de mesquita inoue disse...

Oi?! Quanto tempo! Obrigada pela visita, beijos!

Brenda Kayene :) disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

ri demais com a última história!!!!

xDDD

Imaginário disse...

Anabela, o texto é muito bacana, mas o início é espetacular, algo do tipo: não sou eu que estou dizendo, eu ouvi contar que...
Quantas estórias, meu Deus,ouvi em Minas e que começam com esse "Ouvi contar que...". Conta mais disso que você ouviu, rs.
Obrigado.
Abraços.
Gilson.

Chris Ferreira disse...

Oi,
Nunca tinha vindo aqui. ADOREI!
A última história é ótima!
Beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

Rosa disse...

Este blog, dos quatro, é o favorito - adoro "causos". Tô seguindo prá ler.

Beijos e obrigada pela visita!