Esse blog é uma homenagem às minhas avós, às avós do meu filho e a todas as mulheres que tem a doce experiência de serem avós. Acredito que no âmbito familiar poucas coisas são tão saudáveis quanto o estar na casa da vovó, desfutar de sua companhia, de seus quitutes e fazer descobertas diárias sobre o mistério que envolve a distãncia entre as coisas do tempo da vovó e a nossa vida cotidiana, principalmente quando somos crianças.

Seguidores

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

As margaridas da vovó





Hoje, depois que chegamos da escola, sentamos na sombra do pé de manacá e ficamos olhando as margaridas do jardim da vovó. Coitadinhas ... todas bem murchinhas debaixo do sol quente. Nem parecem irmãs daquelas belezuras que Zefa colheu e colocou no vaso de vidro para enfeitar a mesa da sala. Essas sim, estão todas cheias de vida!
Vovó nos explicou que flores precisam de sol, mas quando há em excesso elas se sentem prejudicadas. Ela nos tranquilizou quando percebeu que estávamos com o coração doendo de dó das margaridas. Disse que bastaria o sol se econder para elas ficarem vigorosas outra vez. Acreditamos e ficamos esperando o tempo passar ...

As Margaridas são flores belíssimas e fáceis de serem cultivadas em diversos tipos de solos, exceto em terrenos muito úmidos. Adoram o sol,  florescem no verão e no outono. As nossas possuem pétalas brancas e  o miolo amarelo. 
Conta a lenda que,  na idade média surgiu uma brincadeira com o nome de "bem- me- quer ou mal- me- quer", conhecida e praticada até os dias de hoje. Esa brincadeira consiste em desfolhar a margarida pétala a pétala para saber se o seu amor ainda lhe quer, quando a flor estiver totalmente desfolhada a última pétala é que será a resposta se ou seu amor:  ”Mal-me quer” ou “Bem-me-quer”.

Um comentário:

xanó disse...

Olá Anabela
Não há qualquer problema de colocar fotos ou textos , no seu blog , esteja á vontade. Beijocas da Xanó